Violência doméstica e abuso: coisas que você precisa saber

Muitas pessoas ainda acham que violência doméstica, é só a violência física, não se atentam para as violências psicológicas e de liberdade, as vezes, a violência está implícita e textos como esse ajuda na conscientização. 

O objetivo desse texto é lembrar que todo homem e toda mulher merece ser feliz, livre, merece ter um tempo só para si, merece colocar uma roupa bonita, uns brincos grandes e sair para curtir a vida. Infelizmente ainda existe gente que não usufrui desses privilégios e isso, as vezes se dá, em decorrência de relacionamentos abusivos. Reiteramos nem todos os relacionamentos abusivos envolvem violência física. Só porque você não está machucado e machucado não significa que você não está sendo abusado.

Muitos homens e mulheres sofrem abuso emocional, o que não é menos destrutivo. Infelizmente, o abuso emocional é muitas vezes minimizado ou esquecido – mesmo pela pessoa que está sofrendo.

O objetivo do abuso emocional é diminuir seus sentimentos de autoestima e independência – deixando você sentindo que não há como sair do relacionamento ou que, sem o seu parceiro abusivo, você não tem nada.

O abuso emocional inclui abuso verbal , como gritar, xingar, culpar e envergonhar. Isolamento, intimidação e comportamento de controle também são formas de abuso emocional.

Os abusadores que usam abuso emocional ou psicológico geralmente lançam ameaças de violência física ou outras repercussões, se você não fizer o que quiser.

As cicatrizes do abuso emocional são muito reais e são profundas. Você pode pensar que o abuso físico é muito pior do que o emocional, uma vez que a violência física pode enviar você ao hospital e deixá-lo com ferimentos físicos. Mas o abuso emocional pode ser igualmente prejudicial – às vezes até mais.

O que é violência e abuso doméstico?

Quando as pessoas pensam em abuso doméstico, geralmente se concentram na violência doméstica. Mas o abuso doméstico inclui qualquer tentativa de uma pessoa em um relacionamento íntimo ou casamento de dominar e controlar a outra.

A violência e o abuso doméstico são usados ​​para um único propósito e apenas para um objetivo: obter e manter total controle sobre você. Um agressor não “joga limpo”. O agressor usa medo, culpa, vergonha e intimidação para desgastá-lo e mantê-lo sob seu controle.

Violência e abuso doméstico podem acontecer a qualquer pessoa; não discrimina. O abuso acontece dentro de relacionamentos heterossexuais e em parcerias entre pessoas do mesmo sexo.

Ocorre em todas as faixas etárias, origens étnicas e níveis econômicos. E, embora as mulheres sejam mais frequentemente vitimizadas, os homens também sofrem abusos – especialmente verbais e emocionais. A linha inferior é que o comportamento abusivo nunca é aceitável, seja de um homem, mulher, adolescente ou adulto. Você merece se sentir valorizado, respeitado e seguro.

O abuso doméstico costuma passar de ameaças e agressões verbais à violência. E, embora a lesão física possa representar o perigo mais óbvio, as conseqüências emocionais e psicológicas do abuso doméstico também são graves.

Relacionamentos emocionalmente abusivos podem destruir sua autoestima, levar à ansiedade e à depressão e fazer você se sentir impotente e sozinho. Ninguém deveria suportar esse tipo de dor – e seu primeiro passo para se libertar é reconhecer que seu relacionamento é abusivo.

Sinais de um relacionamento abusivo

Existem muitos sinais de um relacionamento abusivo, e o medo do seu parceiro é o mais revelador. Se você sentir que precisa andar sobre as cascas de ovos ao seu redor – observando constantemente o que você diz e faz para evitar uma explosão -, é provável que seu relacionamento não seja saudável e abusivo.

Outros sinais incluem um parceiro que menospreza você ou tenta controlá-lo e sentimentos de auto-aversão, desamparo e desespero.

Para determinar se seu relacionamento é abusivo, responda às perguntas abaixo. Quanto mais respostas “sim”, maior a probabilidade de você estar em um relacionamento abusivo.

Você está em um relacionamento abusivo?

Seus pensamentos e sentimentos interiores

Você:

  • sente medo do seu parceiro a maior parte do tempo?
  • evitar certos tópicos por medo de irritar seu parceiro?
  • sente que você não pode fazer nada certo para o seu parceiro?
  • acredita que você merece ser ferido ou maltratado?
  • pergunto se você é o único que é louco?
  • sentir-se emocionalmente entorpecido ou desamparado?

O comportamento depreciativo do seu parceiro

O seu parceiro:

  • humilhar ou gritar com você?
  • criticá-lo e colocá-lo para baixo?
  • tratá-lo tanto que você tem vergonha de ver seus amigos ou familiares?
  • ignorar ou colocar suas opiniões ou realizações?
  • culpar você por seu próprio comportamento abusivo?
  • vê-lo como propriedade ou objeto sexual, e não como pessoa?

Comportamento violento ou ameaças do seu parceiro

O seu parceiro:

  • tem um temperamento ruim e imprevisível?
  • machucá-lo ou ameaçar machucá-lo ou matá-lo?
  • ameaça levar seus filhos embora ou prejudicá-los?
  • ameaçar cometer suicídio se você sair?
  • forçá-lo a fazer sexo?
  • destruir seus pertences?

O comportamento de controle do seu parceiro

O seu parceiro:

  • agir excessivamente ciumento e possessivo?
  • controlar para onde você vai ou o que faz?
  • impedi-lo de ver seus amigos ou familiares?
  • limitar seu acesso a dinheiro, telefone ou carro?
  • constantemente verificar você?

Abuso físico e sexual

O abuso físico ocorre quando a força física é usada contra você de uma forma que o machuca ou põe em perigo. Agressão física ou agressão é um crime, seja dentro ou fora de uma família. A polícia tem poder e autoridade para protegê-lo de um ataque físico.  

Qualquer situação em que você seja forçado a participar de atividade sexual indesejada, insegura ou degradante é abuso sexual . O sexo forçado, mesmo por um cônjuge ou parceiro íntimo com quem você também tenha sexo consensual, é um ato de agressão e violência doméstica. Além disso, as pessoas cujos parceiros os abusam física e sexualmente correm maior risco de serem gravemente feridas ou mortas.  

Abuso emocional: é um problema maior do que você pensa

Nem todos os relacionamentos abusivos envolvem violência física. Só porque você não está machucado e machucado não significa que você não está sendo abusado. Muitos homens e mulheres sofrem abuso emocional, o que não é menos destrutivo. Infelizmente, o abuso emocional é muitas vezes minimizado ou esquecido – mesmo pela pessoa que está sofrendo.  

O objetivo do abuso emocional é diminuir seus sentimentos de autoestima e independência – deixando você sentindo que não há como sair do relacionamento ou que, sem o seu parceiro abusivo, você não tem nada.  

O abuso emocional inclui abuso verbal , como gritar, xingar, culpar e envergonhar. Isolamento, intimidação e comportamento de controle também são formas de abuso emocional.  

Os abusadores que usam abuso emocional ou psicológico geralmente lançam ameaças de violência física ou outras repercussões, se você não fizer o que quiser.  

As cicatrizes do abuso emocional são muito reais e são profundas. Você pode pensar que o abuso físico é muito pior do que o emocional, uma vez que a violência física pode enviar você ao hospital e deixá-lo com ferimentos físicos. Mas o abuso emocional pode ser igualmente prejudicial – às vezes até mais.  

Abuso econômico ou financeiro: uma forma sutil de abuso emocional

  Lembre-se, o objetivo de um agressor é controlá-lo e, com frequência, ele usa dinheiro para isso. O abuso econômico ou financeiro inclui:  

  • Controlando rigidamente suas finanças
  • Retenção de dinheiro ou cartão de crédito
  • Fazendo você dar conta de cada centavo gasto
  • Retenção de necessidades básicas (alimentos, roupas, medicamentos, abrigo)
  • Restringindo você a um subsídio
  • Impedindo você de trabalhar ou escolher sua própria carreira
  • Sabotar o seu trabalho (fazendo você faltar ao trabalho, ligando constantemente)
  • Roubar de você ou pegar seu dinheiro

O comportamento abusivo é uma escolha

  Apesar do que muitas pessoas acreditam, a violência e o abuso doméstico não ocorrem por causa de um agressor perder o controle sobre seu comportamento. De fato, comportamento abusivo e violência são uma escolha deliberada para ganhar controle. Os criminosos usam uma variedade de táticas para manipulá-lo e exercer seu poder, incluindo:  

Domínio – Indivíduos abusivos precisam se sentir responsáveis ​​pelo relacionamento. Eles podem tomar decisões por você e sua família, dizer o que fazer e esperar que você obedeça sem questionar. Seu agressor pode tratá-lo como um servo, criança ou mesmo como posse deles.  

Humilhação – Um agressor fará tudo o que puder para diminuir sua auto-estima ou fazer com que você se sinta defeituoso de alguma forma. Afinal, se você acredita que não vale nada e que ninguém mais vai querer você, é menos provável que você vá embora. Insultos, xingamentos, vergonha e críticas públicas são todas armas de abuso projetadas para corroer sua autoestima e fazer você se sentir impotente.  

Isolamento – Para aumentar sua dependência deles, um parceiro abusivo o afastará do mundo exterior. Eles podem impedir que você veja familiares ou amigos ou até impedir que você vá para o trabalho ou para a escola. Você pode precisar pedir permissão para fazer qualquer coisa, ir a qualquer lugar ou ver alguém.  

Ameaças – Os abusadores geralmente usam ameaças para impedir que seus parceiros os deixem ou os amedrontem com a cobrança de taxas. Seu agressor pode ameaçar machucar ou matar você, seus filhos, outros membros da família ou até animais de estimação. Eles também podem ameaçar cometer suicídio, registrar acusações falsas contra você ou denunciá-lo a serviços infantis.  

Intimidação – Seu agressor pode usar uma variedade de táticas de intimidação projetadas para assustá-lo. Essas táticas incluem fazer gestos ou olhares ameaçadores, esmagar coisas à sua frente, destruir propriedades, ferir seus animais de estimação ou exibir armas. A mensagem por trás dessas ações é que consequências violentas violentas se seguirão se você não obedecer.  

Negação e culpa – Os abusadores são hábeis em inventar desculpas para o indesculpável. Eles podem culpar seu comportamento abusivo e violento em uma infância ruim, em um dia ruim ou até em você e as crianças, vítimas de seus abusos. Eles podem minimizar o abuso ou negar que ocorreu. Muitas vezes, eles transferem a responsabilidade para você: de alguma forma, o comportamento violento e abusivo é sua culpa.  

Os agressores são capazes de controlar seu comportamento – eles fazem isso o tempo todo

Os abusadores escolhem a quem abusar. 

Eles não insultam, ameaçam ou agredem a todos na vida que lhes causam tristeza. Geralmente, eles guardam seus abusos para as pessoas mais próximas, as que afirmam amar.  

Os abusadores escolhem cuidadosamente quando e onde abusar. 

Eles se controlam até que ninguém mais esteja por perto para testemunhar seu comportamento.  Eles podem agir como se tudo estivesse bem em público, mas depois atacar instantaneamente assim que você estiver sozinho com eles.  

Os agressores são capazes de interromper seu comportamento abusivo quando isso os beneficia. 

 A maioria dos agressores não está fora de controle. De fato, eles são capazes de interromper imediatamente seu comportamento abusivo quando é vantajoso fazê-lo (por exemplo, quando a polícia aparece ou o chefe chama).  

Os agressores violentos geralmente direcionam seus golpes para onde eles não aparecem. 

Em vez de agir com raiva irracional, muitos agressores fisicamente violentos apontam cuidadosamente seus chutes e socos onde os hematomas e marcas não aparecem.

Fale se suspeitar de violência ou abuso doméstico

Se você suspeitar que alguém que você conhece está sendo abusado, fale!

Se você está hesitando – dizendo a si mesmo que não é da sua conta, você pode estar errado ou que a pessoa pode não querer falar sobre isso – lembre-se de que expressar sua preocupação permitirá que a pessoa saiba que você se importa e pode até salvar a vida deles.

Converse com a pessoa em particular e informe que você está preocupado. Aponte os sinais que você notou que o preocupam.

Diga à pessoa que você está lá para ela, sempre que ela se sentir pronta para conversar. Tranquilize-os de que você manterá o que foi dito entre vocês e informe-os de que você ajudará da maneira que puder.

Lembre-se, os abusadores são muito bons em controlar e manipular suas vítimas. As pessoas que sofreram abuso emocional ou físico geralmente estão deprimidas, esgotadas, assustadas, envergonhadas e confusas.

Eles precisam de ajuda para sair da situação, mas seu parceiro muitas vezes os isolou da família e dos amigos. Ao captar os sinais de alerta e oferecer apoio, você pode ajudá-los a escapar de uma situação abusiva e começar a curar.

Reconhecendo os sinais de alerta de abuso

É impossível saber com certeza o que se passa a portas fechadas, mas há alguns sinais reveladores de abuso emocional e violência doméstica. Se você testemunhar esses sinais de abuso em um amigo, membro da família ou colega de trabalho, leve-os muito a sério.

As pessoas que estão sendo abusadas podem:

  • Parecem temerosos ou ansiosos para agradar seu parceiro
  • Siga tudo o que o parceiro diz e faz
  • Entre frequentemente com o parceiro para relatar onde eles estão e o que estão fazendo
  • Receba telefonemas freqüentes e assediadores do parceiro
  • Fale sobre o temperamento, ciúme ou possessividade do parceiro

Sinais de alerta de violência física. As pessoas que sofrem abuso físico podem:

  • Tenha lesões frequentes, com a desculpa de “acidentes”
  • Frequentemente falte ao trabalho, escola ou ocasiões sociais, sem explicação
  • Vestir roupas projetadas para esconder contusões ou cicatrizes (por exemplo, usar mangas compridas no verão ou óculos de sol em ambientes fechados)

Sinais de alerta de isolamento. As pessoas que estão sendo isoladas pelo agressor podem:

  • Ser impedido de ver familiares e amigos
  • Raramente saem em público sem o parceiro
  • Ter acesso limitado a dinheiro, cartões de crédito ou carro

Os sinais de alerta psicológico de abuso. As pessoas que estão sendo abusadas podem:

  • Tem muito baixa auto-estima, mesmo se eles costumavam ter confiança
  • Mostrar grandes mudanças de personalidade (por exemplo, uma pessoa que sai deixa o cargo)
  • Seja deprimido, ansioso ou suicida

O ciclo da violência no abuso doméstico

O abuso doméstico se enquadra em um padrão ou ciclo comum de violência:

Abuso – Seu parceiro abusivo ataca com comportamento agressivo, depreciativo ou violento. Este tratamento é uma jogada de poder projetada para mostrar “quem é o chefe”.  

Culpa – Seu parceiro sente culpa depois de abusar de você, mas não por causa de suas ações. Eles estão mais preocupados com a possibilidade de serem pegos e enfrentar consequências por seu comportamento abusivo.

Desculpas  – Seu agressor racionaliza o que eles fizeram. A pessoa pode inventar uma série de desculpas ou culpá-lo por provocá-la – qualquer coisa para evitar assumir a responsabilidade.  

Comportamento “normal” – seu parceiro faz tudo ao seu alcance para recuperar o controle e garantir que você permaneça no relacionamento. Um criminoso pode agir como se nada tivesse acontecido, ou pode “ligar o encanto”. Essa fase pacífica da lua de mel pode dar a você esperança de que o agressor realmente tenha mudado dessa vez.

Fantasia e planejamento – Seu agressor começa a fantasiar sobre repetir o abuso. Eles passam muito tempo pensando sobre o que você fez de errado e como eles farão você pagar por isso. Então eles formam um plano para transformar a fantasia do abuso em realidade.  

Configuração – Seu agressor configura você e coloca seu plano em movimento, criando uma situação em que eles podem justificar abusar de você.   As desculpas do seu abusador e os gestos amorosos entre os episódios de abuso podem dificultar a saída. Eles podem fazer com que você acredite que você é a única pessoa que pode ajudá-los, que eles mudarão seu comportamento e que realmente o amam. No entanto, os perigos de ficar são muito reais.

Fonte: https://www.helpguide.org/articles/abuse/domestic-violence-and-abuse.htm

Como um site pequeno e sem fins lucrativos que não exibe anúncios, dependemos de nossos leitores. Apenas uma pequena porcentagem de nossos leitores dá. Se todo mundo que ler isso desse $ 3, poderíamos manter o Help Guide em alta. Se o Help Guide for útil para você, considere fazer uma doação hoje para ajudar a manter o HelpGuide on-line e sem anúncios em 2020. Obrigado .                                

DAS FORMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER


A lei 11.340/2006, conhecida como lei Maria da Penha, no intuito de facilitar a identificação dos tipos de agressões, em seu artigo 7º, descreve formas de violência doméstica contra a mulher, como sendo, dentre outras: Violência física, pela prática de atos que ofendam a sua saúde ou integridade física; violência psicológica, por condutas que lhes causem qualquer forma de danos emocionais; violência sexual, por qualquer forma de constrangimento a presenciar, manter ou a participar de relação sexual não desejada; violência patrimonial, por atos que restrinjam ou impeçam o uso de seus bens, direitos e recursos financeiros, bens ou documentos pessoais ou de trabalho; e, violência moral, caracterizada por atos que configurem calúnia, difamação ou injúria.     

LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006

Art. 7º São formas de violência doméstica e familiar contra a mulher, entre outras:

I – a violência física, entendida como qualquer conduta que ofenda sua integridade ou saúde corporal;

II – a violência psicológica, entendida como qualquer conduta que lhe cause dano emocional e diminuição da auto-estima ou que lhe prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento ou que vise degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição contumaz, insulto, chantagem, ridicularização, exploração e limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação;

III – a violência sexual, entendida como qualquer conduta que a constranja a presenciar, a manter ou a participar de relação sexual não desejada, mediante intimidação, ameaça, coação ou uso da força; que a induza a comercializar ou a utilizar, de qualquer modo, a sua sexualidade, que a impeça de usar qualquer método contraceptivo ou que a force ao matrimônio, à gravidez, ao aborto ou à prostituição, mediante coação, chantagem, suborno ou manipulação; ou que limite ou anule o exercício de seus direitos sexuais e reprodutivos;

IV – a violência patrimonial, entendida como qualquer conduta que configure retenção, subtração, destruição parcial ou total de seus objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas necessidades;

V – a violência moral, entendida como qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou injúria.

Fonte: https://www.tjdft.jus.br/institucional/imprensa/campanhas-e-produtos/direito-facil/edicao-semanal/formas-de-violencia-domestica-contra-a-mulher

© Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios – TJDFT. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta publicação, desde que citada a fonte.

Uma parte deste artigo foi publicado originalmente no site do Tribunal de Justiça do Distrito Federal – TJDF e outra parte no portal Help Guide, conforme fontes citadas, republicamos aqui para conscientizar, sobre as formas violências domésticas contra a mulher.

violencia domestica